Extra Online - 04/07/2016 às 18:07:22

Fitoterápicos crescem 161% no SUS e têm menos efeitos colaterais

Os pacientes têm buscado tratamentos mais naturais. Os médicos, por sua vez, têm procurado mais informações sobre o tema. O resultado é que brasileiros passaram a se interessar mais pelos medicamentos fitoterápicos, ou seja, à base de plantas: no SUS, onde são oferecidos 12 desses insumos, a busca cresceu 161% entre 2013 e 2015, segundo o Ministério da Saúde.

— Nos centros urbanos, onde não se tinha muito conhecimento sobre os benefícios das plantas, a demanda por produtos naturais cresceu — explica o secretário substituto da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Pedro Prata: — Esses medicamentos tendem a ser mais baratos e, nos últimos anos, houve uma qualificação dos profissionais de saúde para sua prescrição.

Mas, não é porque é natural que não precisa de bula. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, no último dia 20, o “Memento Fitoterápico”, um guia que inclui dados de 28 espécies e explica as partes aproveitadas das plantas, contraindicações e posologia.

— As pessoas acham que os fitoterápicos não têm efeito colateral e que podem ser usados de qualquer maneira, mas não é assim. Por isso a necessidade deste documento — diz o diretor Ivo Bucaresky, autor do relatório.
O médico fitoterapeuta, da Associação Brasileira de Fitoterapia, Antonio Carlos Seixlack, alerta para a necessidade de consultar com um profissional, antes de iniciar o tratamento.

— Certos fitoterápicos podem interferir com a ação de outros medicamentos. Mulheres grávidas ou durante o aleitamento devem informar ao seu médico sobre o uso de qualquer planta medicinal, pois algumas podem ser abortivas e passarem para o leite materno — diz o médico, que explica as situações em que a fitoterapia é mais indicada: — Ela tem como alvo as doenças mais simples como resfriados, dores articulares, gastrites, insônia e ansiedade, diarreia. Pode também ser usada como coadjuvante em doenças mais complexas, no entanto, nestes casos apenas por indicação de profissionais capacitados.

Além de destacar o potencial da biodiversidade no Brasil — o que aumenta as possibilidades da medicina através das plantas —, a clínica geral Fátima Christina Machado Cardoso, do grupo de estudo em fitoterapia do Cremerj, afirma que, entre um medicamento tradicional e um fitoterápico, prefere o último.

— É um produto que oferece menos efeito colateral, se usado adequadamente. Dependendo do caso, as dores também melhoram rápido — diz a especialista — Porém, muitos médicos ainda não conhecem os benefícios.











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
2ª via Anuidade  
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2019 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG