Processo alternativo purifica proteínas usadas como biossensores

Agência FAPESP - 21/06/2018 às 12:42:04

Processo alternativo purifica proteínas usadas como biossensores

Pesquisadores do Departamento de Bioquímica e Tecnologia Farmacêutica da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com o Departamento de Química da Universidade de Aveiro, em Portugal, conseguiram desenvolver um método alternativo para a purificação de uma classe de medicamento biológico, as proteínas peguiladas.

O estudo, apoiado pela FAPESP, teve resultados publicados em matéria de capa da revista Green Chemistry.

No artigo, a equipe descreve um processo inovador e sustentável de purificação de proteínas modificadas, baseado em sistemas aquosos bifásicos. Essas plataformas de purificação utilizam água como solvente, apresentando elevada compatibilidade com as proteínas, baixo custo e fácil escalonamento do processo.

A modificação de proteínas consiste na peguilação química, ou seja, a ligação covalente de polietilenoglicol à proteína. A peguilação é uma das principais técnicas empregadas atualmente para obtenção de biofármacos – e suas versões melhoradas, os biobetters. Entre os exemplos de proteínas peguiladas estão biofármacos aplicados para o tratamento de doenças como imunodeficiência combinada grave ou leucemia linfoide aguda.

No artigo, a equipe de pesquisadores propõe a peguilação de uma proteína que pode ser utilizada como biossensor. O estudo visa melhorar a estabilidade da proteína por meio da peguilação e aumentar a eficácia da mesma para a sua aplicação como biossensor.

“A peguilação se tornou um processo muito importante na indústria farmacêutica para o melhoramento de biofármacos, tanto que tem aumentado muito o número de medicamentos biológicos que são proteínas peguiladas. Porém, existem desafios na peguilação e a purificação talvez seja o principal deles. Este processo corresponde a cerca de 80% do custo total do fármaco”, disse Carlota Rangel Yagui, orientadora do estudo e uma das autoras do artigo.

Industrialmente, as proteínas peguiladas são purificadas pelo método de cromatografia. No entanto, esse processo apresenta desvantagens, como o elevado custo e por não permitir a reciclagem das proteínas não peguiladas para um novo processo de peguilação, o que tornaria o processo mais sustentável e rentável.

“Conseguimos realizar a purificação das moléculas em três etapas, em um processo mais sustentável e econômico que o cromatográfico. Os sistemas aquosos bifásicos, compostos somente por água e outras duas substâncias, como um polímero ou um sal, já são usados na purificação de outras substâncias e se mostraram altamente eficientes para as proteínas peguiladas ”, disse Yagui.

Citocromo c, aplicação como biossensor

O estudo foi realizado em moléculas de citocromo c, proteína capaz de catalisar processos oxidativos e que pode ser empregada como dispositivo analítico que detecta alterações em amostras (biossensor). Porém, a expectativa dos pesquisadores é que o processo alternativo de purificação possa ser adaptado para outras proteínas peguiladas.

“Biossensores são moléculas de interesse industrial, não só para a indústria farmacêutica, mas também para a de alimentos e a agroindústria”, disse Yagui.

No trabalho, as proteínas purificadas por sistemas aquosos bifásicos foram fracionadas em diferentes formas de citocromos c peguilados e também separadas das proteínas que não reagiram.

“Conseguimos peguilar o citocromo c com quatro moléculas de PEG e também com oito. Nenhum trabalho conseguia simultaneamente separar formas específicas peguiladas e fazer o reciclo da proteína nativa para um novo processo de peguilação”, disse João Santos, aluno de duplo doutorado na USP e na Universidade de Aveiro e primeiro autor do artigo.

A descoberta de uma alternativa sustentável para a purificação de proteína peguilada desencadeou outras frentes de trabalho para o grupo de pesquisadores: a ampliação de escala da técnica alternativa e o uso do citocromo c peguilado como biossensor em ensaios de eletroquímica.

“Em nosso artigo, propusemos o citocromo c como um biossensor e agora queremos estudar se ele consegue ter uma vida útil maior com a peguilação”, disse Yagui. Biossensores enzimáticos costumam ter duração limitada devido a desnaturação por variação de temperatura e pH e exposição ao material dos eletrodos empregados.

Santos concluiu o estudo de escalonamento industrial da purificação do citocromo c peguilado por sistemas aquosos bifásicos utilizando a técnica de CPC (cromatografia por partição centrífuga) e resultados do trabalho serão publicados em artigo ainda este ano.











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
2ª via Anuidade  
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CR
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2018 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG