Revista Encontro - 23/08/2016 às 14:09:43

Tomar meia dose de remédio é o mesmo que dividir o comprimido?

Que atire a primeira pedra quem nunca cortou umcomprimido. Se você nunca fez isso, certamente conhece alguém que divide remédio para tomar "meia dose". Há também aqueles que esmagam o medicamento ou abrem as cápsulas para "facilitar" a ingestão. Fazer isso é bastante comun, mas pode colocar a saúde em risco. Afinal, se você está tomando um remédio, é porque alguma coisa não está bem no seu organismo.

Segundo a farmacêutica e assessora técnica do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF-MG), Danyella Domingues, essas práticas são condenáveis. Ela alerta que modificar a forma original de um comprimido ou cápsulainterfere diretamente em sua eficácia. "Os medicamentossão produzidos pensando na chamada biodisponibilidade, que é o tempo pré-determinado para que aquelas substâncias comecem a agir no organismo. Quando umcomprimido é partido ou esmagado, ou uma cápsula é aberta, este tempo é diretamente alterado e muda a forma de ação do medicamento", explica a especialista.

Além de comprometer a eficácia da substância, partir um comprimido não garante que se está tomando exatamente "meia dose". Isso porque, com métodos caseiros, é impossível comprovar que as duas partes são iguais, explica a farmacêutica. Outro problema, de acordo com Danyella Domingues, é que o remédio pode ser contaminado ao entrar em contato com utensílios de cozinha, como as facas, que geralmente são utilizadas para quebrar as drágeas.

Já em relação à marcação que existe em alguns comprimidos, e que a maioria das pessoas acredita servir para dividi-los ao meio, a especialista esclarece que se trata apenas de uma marca deixada pelo molde que alguns laboratórios usam para compactar o medicamento. Ou seja, não é a indicação de que aquele remédio pode ser cortado ao meio.

Medicamentos manipulados

A manipulação é a solução para os casos em que não se encontra o remédio na dosagem que o médico receitou. "O ideal, nesses casos, é retornar ao consultório e solicitar ao médico que faça uma nova prescrição para que o medicamento seja manipulado com a dosagem exata", aconselha Danyella Domingues.

Ela rechaça a crença popular que questiona a eficácia dos medicamentos manipulados. "O remédio manipulado funciona exatamente da mesma forma que os industrializados. O que faz diferença é a qualidade no processo de manipulação", afirma a farmacêutica e assessora técnica do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais.











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
2ª via Anuidade  
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CR
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Congressos
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Responsabilide Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2016 / 2017 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG