Comunicação CRF/MG - 26/02/2016 às 11:34:43

Descompasso nos registros de casos atrapalha ações de combate

Enquanto o governo de Minas anuncia estratégias e parcerias para o combate ao Aedes aegypti, o principal norte das ações de vigilância da epidemia – os dados dos casos em investigação – não retrata a realidade. Além do descompasso entre notificações municipais e informações oficiais da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), o relatório do atendimento e o próprio diagnóstico da doença apresentam falhas.

Constam no boletim estadual desta semana, divulgado na última terça-feira, 303 casos de zika notificados. O número é quatro vezes inferior aos registros de uma única cidade mineira. Governador Valadares, no Leste de Minas, investigava, até a semana passada, 1.436 casos suspeitos da doença, conforme adiantou o Hoje em Dia. Em sete dias, 413 registros novos foram contabilizados.

A prefeitura de Valadares informou que a notificação ao Estado é feita diariamente por meio de um sistema unificado, que segue os padrões do Ministério da Saúde. O secretário de Estado de Saúde, Fausto Pereira dos Santos, disse que não há desencontro de informações e que “alimentar os dados é vital para desenvolver ações de combate às doenças”.

A discrepância persiste nos dados sobre mortes decorrentes da dengue. A quantidade de óbitos registrados pela SES em quatro municípios, oito no total, é a mesma dos registros notificados apenas em Juiz de Fora.

Foco no problema

O desencontro, que torna a realidade desconhecida, pode levar à tomada de decisões erradas, avalia o médico Cesar Vieira, ex-diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) – órgão ligado à Organização Mundial da Saúde (OMS).

“É de fundamental importância trabalhar com números reais. Só assim é possível ter ideia de onde se deve concentrar as atenções e avaliar a capacidade que se tem de agir sobre o problema”, detalha o consultor do Instituto Brasileiro para Estudo e Desenvolvimento do Setor de Saúde. Segundo ele, a situação demonstra as fragilidades do sistema de saúde.

O atendimento médico também tem refletido nos dados oficiais. A semelhança entre os sintomas das duas doenças (zika e dengue) e a demora nos resultados dos exames diagnósticos são apenas exemplos de problemas.

“Sabemos que o número de casos é alto. Agora, o quão alto é, nós não podemos garantir, tampouco que todos os médicos irão preencher o formulário”, afirma o infectologista Estêvão Urbano, presidente da Sociedade Mineira de Infectologia.

Os protocolos para as duas doenças incluem um formulário de notificação, que nem sempre é preenchido pelo médico por triplicar o tempo de atendimento no consultório.











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
2ª via Anuidade  
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2019 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG