Folha de S. Paulo - 31/08/2016 às 13:32:31

Novo estudo associa surdez em bebês à infecção pelo vírus da zika

Surdez é a mais nova inclusão na lista de possíveis consequências do vírus da zika para os bebês infectados. A novidade foi publicada em um estudo comandado pelo serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Agamenon Magalhães, do Recife (PE), e divulgado pelo CDC (Centro de Controle de Doenças, dos EUA).

O principal achado é que a surdez aparece em infecções pelo vírus da zika assim como em outras infecções congênitas (como citomegalovírus, sífilis e toxoplasmose), em uma taxa de 5,8% (quatro em 69). A surdez aparece entre 6% e 65% dos outros casos de infecção congênitas

Segundo os cientistas alguma lesão pode ter acontecido tanto na cóclea (na orelha interna) quanto no cérebro, provocando a perda de audição. O estudo foi feito com bebês de 0 a 10 meses de idade.

A amostra é pequena, mas o achado já serve de alerta –é necessário investigar alterações de visão, ortopédicas, na formação cerebral, além no desenvolvimento psicomotor nas crianças afetadas para minimizar as consequências no futuro.

  • Estudo realizado no Recife identificou que 5,8% das crianças com zika apresentam perda auditiva
    (FOTO: Divulgação)

Uma das limitações do estudo, alertam cientista, é o fato de só terem sido analisados bebês com microcefalia. "É possível que o espectro completo da infecção congênita pelo vírus da zika inclua crianças sem microcefalia, mas com déficit auditivo, como ocorre com rubéola e citomegalovírus, nas quais as crianças sem anomalias estruturais aparentes podem ter perda auditiva desde o nascimento ou mais tarde", escrevem os autores.

Também não foi possível estimar a fração dos bebês que terá perda progressiva da audição. Dada a "preferência" do vírus por células nervosas (neurotropismo), não seria surpreendente se uma maior variedade de danos neurológicos forem achados futuramente.

A perda auditiva aconteceu predominantemente em bebês cujas mães tiveram febre com rash cutâneo (exantema) no primeiro trimestre de gestação. Os autores propõem que esse momento de infecção seja um fator de risco.











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
2ª via Anuidade  
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2019 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG