Comunicação CRF/MG - 22/09/2017 às 14:04:33

Segmento das Análises Clínicas é tema de debate na Plenária do CRF/MG

Muito se tem falado das dificuldades enfrentadas pelo segmento das Análises Clínicas e também vários são os pedidos dos farmacêuticos para debater o assunto e buscar contribuições para essa área.

Atendendo às solicitações dos farmacêuticos e preocupado com a crise desse setor, o Plenário do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF/MG) discutiu amplamente a situação na noite dessa quinta-feira, 21 de setembro, durante a 4ª Reunião Plenária Extraordinária.

O debate teve início após a apresentação do coordenador da Comissão Assessora de Análises Clínicas do CRF/MG, Wallinson de Abreu Miranda, que fez um breve diagnóstico do setor.

Entre as dificuldades apontadas, Wallinson lembrou da necessidade de uma formação acadêmica mais adequada; da falta de oportunidades no mercado de trabalho e de atualização do profissional; do piso salarial desmotivador e da falta de uma fiscalização eficiente da Agência Nacional de Saúde (ANS) para cobrar o cumprimento dos contratos com as operadoras dos planos de saúde.

Além dos Conselheiros, o debate contou com a presença de quatro professores da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Os professores Henrique Pimenta, Adriano de Paula Sabino, Maria Gabrielli Adelino Rocha e Maria das Graças Carvalho, e da estudante Lisa Magalhães, que prestigiaram e contribuíram com o fórum temático.

Os farmacêuticos também puderam acompanhar e participar da discussão, ao vivo, pela página do CRF/MG no Facebook (crfminas).

 

 

 

Acreditação

Os Conselheiros que participaram da Plenária expuseram suas preocupações em relação ao setor e deram sugestões. Bastante experiente nesse segmento e proprietário de laboratórios de análises clínicas, o Conselheiro Vanderlei Machado, citou, entre os vários problemas, a concorrência com outras áreas profissionais que vêm ocupando o mercado do analista clínico, como os biomédicos. Também ressaltou a defasagem dos preços praticados pelo SUS e operadoras de convênio. Mas advertiu que é preciso qualificação para se manter no mercado. “Aquele que não se qualificar e não fizer a acreditação do seu laboratório, não fica no mercado”, alertou.

A Conselheira Márcia Magalhães reafirmou a importância do setor e da necessidade dos estudantes participarem e conhecerem mais sobre a Análises Clínicas. Ela salientou que hoje são poucos os estudantes de Farmácia que optam por essa área de atuação. “A nossa área é linda. Vale a pena atuar, pois nós conhecemos de  saúde. Temos é que aprimorar para prestar o nosso bom trabalho, pois há muitos campos de atuação para nós já regulamentados pelo CFF”, enfatizou a conselheira. 

Propostas

Em meio ao debate, foi consenso entre os participantes da necessidade de mobilização e unidade da própria classe para alavancar o setor. Professora de Citologia Clínica, Maria Gabrielli Rocha lembrou que não se faz farmácia sem as Análises Clínicas. “Ela é o conhecimento básico; é inerente a qualquer campo de atuação do farmacêutico”, frisou.

De acordo com a professora, “é preciso desconstruir e construir tudo de novo, inclusive mudanças na grade curricular”. Ela acrescentou que “o conhecimento em Análises Clínicas é muito importante, pois permite a prevenção e entendimento das doenças, possibilitando o monitoramento dos males a partir dos sinais que antecedem ao diagnóstico e também durante o processo de tratamento, assegurando a sua eficácia”.

Também o professor Henrique Pimenta defendeu o fortalecimento do segmento e ressaltou que “a farmácia clínica é baseada em evidências e esses dados são buscados no microscópio”, exemplificou.

Muitas ideais, sugestões e propostas nortearam o fórum. Na avaliação de Wallinson Abreu, embora ainda incipiente, “o debate amplia o foco para a profissão e é mais uma tentativa de valorizar o profissional farmacêutico”, enfatizou.

No final, foram propostas algumas ações, como cobrar da ANS fiscalização mais eficiente para assegurar o pagamento das operadoras dos planos de saúde; promover fóruns regionais e manter a proximidade com as universidades e faculdades de Farmácia.

O presidente do CRF/MG, Luciano Rena, encerrou a Plenária enfatizando que esse fórum foi apenas o começo, e salientou a necessidade de participação de todas as entidades farmacêuticas. “Agradeço a presença de todos, especialmente a dos professores da UFMG. É importante e necessária essa proximidade do Conselho e as instituições de ensino. Temos que continuar a debater os problemas das Análises Clínicas para buscarmos condições de melhoria. Mas é preciso unidade, participação de todas as entidades”, finalizou.

 











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
2ª via Anuidade  
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2019 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG