Posicionamento do CRF/MG quanto ao uso precoce de cloroquina e hidroxicloroquina para pacientes com diagnóstico da Covid-19

Comunicação CRF/MG - 28/05/2020 às 10:34:33

Posicionamento do CRF/MG quanto ao uso precoce de cloroquina e hidroxicloroquina para pacientes com diagnóstico da Covid-19

Clique aqui e acesse a nota técnica.

 

O Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF/MG) visando a proteção e promoção da saúde e seu compromisso com a ciência, com a técnica e com o exercício ético da profissão farmacêutica, vem por meio deste orientar e dar parecer sobre a publicação do Ministério da Saúde, do dia 20 de maio de 2020, que trata das “orientações para o manuseio medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da Covid-19”.

Desde de janeiro de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a disseminação da Covid-19 como uma emergência de saúde pública mundial, diversos estudos foram conduzidos na tentativa de propor uma terapia segura e eficaz para o combate à doença. Dentre esses, foi dado destaque, especialmente no Brasil, para a utilização da cloroquina e da hidroxicloroquina associadas à azitromicina, mesmo sem que tenha sido demonstrado, até o momento, estudos científicos que comprovem os benefícios da terapia.

Em 22 de maio, a revista científica The Lancet publicou em um estudo multinacional, observacional, realizado com 96.032 pacientes, em 671 hospitais e a conclusão apresentada diz que “não foi possível confirmar um benefício da cloroquina ou hidroxicloroquina, quando usado isoladamente ou com um macrólido, nos resultados hospitalares da Covid-19. Ao contrario, o que se observou foi relação entre os esquemas medicamentosos com cloroquina ou hidroxicloroquina, à diminuição da sobrevida hospitalar e a um aumento da frequência de arritmias ventriculares quando usado no tratamento da Covid-19. Os resultados sugerem que esses esquemas medicamentosos não devem ser usados fora ensaios clínicos e são necessários confirmação urgente de ensaios clínicos randomizados.

Com base na pesquisa, a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou, dia 25 de maio, a interrupção do uso da cloroquina e hidroxicloroquina em testes para tratamento contra a Covid-19.

Entendemos que, excepcionalmente, em casos críticos, com diagnóstico confirmado para a Covid-19, o médico deve avaliar a possibilidade de utilização da terapia farmacológica, baseando-se na anamnese clínica e na relação custo benefício, considerando a possibilidade de reações adversas graves decorrentes do uso da cloroquina ou hidroxicloroquina.

Infelizmente, o Ministério da Saúde impõe ao médico e principalmente ao paciente, a assinatura de um termo de consentimento e ciência, responsabilizando-o pela adoção do uso cloroquina ou hidroxicloroquina, mesmo nos casos leves da Covid-19, desconsiderando sua possível incapacidade de avaliação ampla e crítica dos riscos na terapia.

Dessa forma, considerando as recomendações do Conselho Federal de Farmácia (CFF), de diversas entidades médicas e, especialmente, a Resolução nº 42 de 22 de maio de 2020, publicada pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), recomendamos aos farmacêuticos atuantes em Minas Gerais para a não dispensação indiscriminada e precoce de cloroquina e hidroxicloroquina, especialmente se prescritas para pacientes com sintomas leves da Covid-19.

Ressaltamos que a dispensação de “kits para a Covid-19” contendo cloroquina ou hidroxicloroquina, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), é irregular e fere as diretrizes impostas pela Portaria nº 344/98, pela RDC nº 20/2011 e RDC nº 80/2011, publicadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

As pressões políticas e sociais não devem nortear a decisão para adoção de protocolos terapêuticos que não se sustentem na demonstração de eficácia e segurança. O paciente é o foco da Assistência Farmacêutica, e o farmacêutico atuante no Sistema Único de Saúde deve, sempre que necessário, intervir juntos aos gestores púbicos para revisão de diretrizes que possam colocar em risco a saúde da população.

Se ocorrer, a dispensação dos medicamentos relacionados no esquema terapêutico proposto pelo Ministério da Saúde, que contém difosfato de cloroquina ou sulfato de hidroxicloroquina associados a azitromicina, destinada ao tratamento precoce de casos leves da Covid-19, deve ser feita de forma criteriosa e orientada, mediante confirmação do diagnóstico e apresentação do termo de consentimento e ciência assinado pelo paciente. O acompanhamento farmacoterapêutico e a monitorização dos pacientes deve ser ainda mais cuidadosa, tendo em vista as possíveis complicações da Covid-19.

A Lei 13.021/2014 e a Resolução do CFF nº 357/2002, respaldam a autonomia técnica do farmacêutico na decisão para o atendimento ou não da dispensação de quaisquer medicamentos, tendo em vista a garantida da eficácia e segurança da terapêutica prescrita. Dessa forma, o farmacêutico tem o dever e o direto de não realizar atos contrários aos ditames da ciência e que possam colocar em risco a saúde da população, tendo total amparo pelo Código de Ética da Profissão, descrito pela Resolução do CFF nº 596/ 2014, que estabelece:

“Art. 11 – É direito do farmacêutico:

VI - negar-se a realizar atos farmacêuticos que sejam contrários aos ditames da ciência, da ética e da técnica, comunicando o fato, quando for o caso, ao usuário, a outros profissionais envolvidos e ao respectivo Conselho Regional de Farmácia;”

O CRF/MG está ao lado da classe farmacêutica e se coloca à disposição para apoiar os profissionais que, de qualquer forma, se sentirem ameaçados no cumprimento ético e correto dos deveres de nossa profissão.

 

Atenciosamente,

 

 

Farm. Júnia Célia de Medeiros

Presidente do CRF/MG











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
Anuidade 2020
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2020 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG