Estado de S. Paulo - 15/08/2016 às 15:23:22

Medicamentos contra o câncer estão mais eficazes, mas mais caros

As novas tecnologias e medicamentos tornaram-se mais efetivas contra cada determinado tipo de tumor, mas o processo de descoberta dessas terapias encarece o produto final. “O que aconteceu na última década é que a biologia molecular e o estudo genético ficaram baratos o suficiente para detectarmos alterações nas células tumorais a ponto de definirmos o tratamento específico. Conseguimos olhar o alvo e quase que desenhar uma molécula capaz de destruir a célula tumoral. Só que essas drogas chegam caras ao mercado, primeiro porque elas são muito específicas, então não têm venda em larga escala, e segundo porque a indústria argumenta que teve as despesas de várias pesquisas até chegar a uma molécula eficaz”, explica Riad Younes, diretor do centro de oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Letícia Campos
Letícia entrou na justiça para obter novo remédio - FOTO: Hélvio Romero/Estadão

O especialista explica que, tanto no aspecto terapêutico quanto no financeiro, é preciso ter certeza de quais pacientes, de fato, terão benefício com esses medicamentos. “Essas drogas são extremamente caras e não funcionam para todo o mundo. É importante investigar caso a caso para selecionar o doente que vai se beneficiar. Caso contrário, vamos usar armas muito poderosas em uma situação desnecessária”, diz.

Não por acaso, as drogas mais modernas - e caras - demoram anos para serem incorporadas no Sistema Único de Saúde (SUS). Nos últimos anos, a situação tem aumentado o número de demandas judiciais por medicamentos contra órgãos governamentais.

No Estado de São Paulo, por exemplo, a estimativa é que seja gasto R$ 1,2 bilhão neste ano para atender aos pedidos de tratamentos feitos via Justiça. Segundo o secretário da Saúde, David Uip, cerca de 70% desse valor será gasto com imunobiológicos usados no tratamento oncológico. “Isso é uma das coisas com que tenho enorme preocupação. O que ocorre é que o tratamento contra o câncer está mudando e avançando, mas essas drogas custam muito caro e nem a medicina pública nem a privada têm recursos para isso. Vamos ter de repensar o sistema e buscar outras formas de financiamento.”

Desespero

Ingressar com uma ação judicial foi a única saída encontrada pela autônoma Letícia Fernandes Campos, de 22 anos, para buscar uma nova opção de tratamento para sua doença, um linfoma de Hodgkin.

Diagnosticada em 2013, a jovem já havia passado por diferentes tipos de quimioterapia, radioterapia e autotransplante de medula, mas, em todas as vezes, o câncer voltou a aparecer após alguns meses.

“Sempre fiz tratamento pelo SUS, tentei todas as opções, mas, em agosto de 2015, o câncer voltou de novo e eu não tinha mais o que fazer. Só tinha um medicamento que podia me ajudar, mas ele não estava disponível no SUS. As 16 aplicações do remédio custam de R$ 500 mil a R$ 600 mil. Foi aí que decidi entrar na Justiça”, conta ela.

A ação foi movida em janeiro, mas a aplicação do remédio só foi iniciada no mês passado, após decisão judicial favorável. “Foram momentos de desespero, você vê todas as portas fechando, as possibilidades se esgotando, e parece que o sistema público não está nem aí. Se eu não tivesse corrido atrás, nada seria feito. Tive amigos que nem tiveram tempo para isso, morreram antes”, afirma.

Para Riad Younes, o Brasil deve investir em estratégias de prevenção e detecção precoce para evitar casos de câncer mais avançados, justamente os que precisam de tratamentos mais caros. “Aqui no Brasil, além de termos pouco dinheiro, a gente gerencia mal. A prevenção não é levada muito a sério. É muito mais barato prevenir um câncer de pulmão do que tratá-lo, por exemplo”, afirma. 











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
Anuidade 2020
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2020 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG