Hoje em Dia - 25/04/2016 às 15:38:41

Método alternativo à Quimioterapia

Aos 39 anos, a jornalista Lina Rocha descobriu um câncer de mama. A partir daí, iniciou o martírio que a grande maioria dos pacientes oncológicos passam na busca pela cura da doença. A quimioterapia, logo na primeira sessão, mostrou seu potencial destrutivo. Mas não apenas para o tumor. Atacou também células saudáveis. A queda imediata dos cabelos foi um dos resultados disso.

“É horrível, a sensação é péssima. Perder o cabelo é a maior materialização de que você está com câncer, é o retrato da doença. Junto vem o mal-estar. Depois da primeira sessão, eu fiquei dez dias sem conseguir fazer nada, de cama. O medicamento percorre o corpo inteiro, destrói células do intestino, estômago. À medida que o organismo reage a isso, toda sua energia é roubada. Fiquei fora do ar”, lembra.

Hoje, recuperada, Lina não reclama de tudo que passou. Ao contrário, agradece pela vida. Mas, se pudesse ter tido acesso a um tratamento menos invasivo, seria muito diferente.  “Seria maravilhoso. O grande problema do câncer é termos praticamente apenas um tipo de tratamento, não há muitas alternativas à quimioterapia. Se tivesse um medicamento que tratasse a doença de forma mais localizada e eficiente, seria menos dolorido para o paciente, que já está abalado emocionalmente e ainda se confronta com a dor física. Talvez, até reduzisse o estigma do câncer, especialmente no caso do de mama, em que 90% dos pacientes têm queda dos cabelos, o que fragiliza muito a mulher”.

Esse tipo de tratamento está sendo desenvolvido por um grupo de profissionais da UFMG, Cefet, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e a empresa Ceelbio. A coordenação é da professora e pesquisadora Roberta Viana Ferreira, do Departamento de Engenharia de Materiais do Cefet-MG.

Estímulo
A pesquisa consiste na construção de um dispositivo que, quando injetado na corrente sanguínea, é capaz de localizar e ficar acumulado na região do tumor. Depois, estimulada por um campo magnético alternado, esta cápsula libera a medicação desejada e, ao mesmo tempo, calor, propiciando o efeito chamado de hipertermia, que enfraquece e mata as células cancerígenas.

“Essas cápsulas, denominadas lipossomas, têm a forma de esferas extremamente pequenas e são preparadas a partir de fosfolipídeos com um fármaco antitumoral (remédio) e nanopartículas magnéticas. Este sistema é denominado magnetolipossoma”, explica Roberta.

Segundo ela, as nanopartículas têm a função de aumentar a temperatura do dispositivo e do meio. “Porém, isso só ocorre se forem expostas a um campo magnético alternado. O magnetolipossoma mantém o fármaco protegido no seu interior e só disponibiliza essa medicação para o organismo quando ocorre um aumento da temperatura do meio”, aponta.

Combinação capaz de combater vários tipos de câncer

A queda do cabelo, os enjoos e todos os inconvenientes da quimioterapia seriam consideravelmente suavizados com o sistema magnetolipossoma, garante a pesquisadora Roberta Viana Ferreira. Segundo ela, o método é mais eficaz, porque combina dois tipos de tratamento – a hipertermia com a quimioterapia.  Além disso, é mais específico, pois a medicação não se espalha por todo corpo. “Por ser localizado, o tratamento não causa tantos efeitos colaterais ao paciente. O calor, controlado até uma temperatura de 42 graus, é capaz de afetar as células de câncer, mas não as saudáveis”, diz.

Vários tipos

O novo tratamento também poderá ser usado em diferentes tipos de câncer, acrescenta a professora Rosana Zacarias Domingues, do Departamento de Química da UFMG, que participa da pesquisa. “A hipertermia é um tratamento que afeta qualquer tipo de câncer. A técnica utilizada para o preparo do dispositivo (magnetolipossomas termosensível), bem como as características dele, permitem a incorporação de uma ampla faixa de medicamentos. Dessa forma, é possível escolher o remédio de acordo com o câncer a ser tratado”, explica a especialista. A pesquisa foi iniciada em 2008. Atualmente, o método está sendo testado em pequenos animais, como camundongos.

Também já foram realizados testes in vitro com as linhagens de células-tronco mesenquimais, células de leucemia, de câncer de mama, todos com resultados muito promissores, diz Roberta. Porém, deve demorar de sete a dez anos para se ter de fato um novo tratamento disponível no mercado. A pesquisa é financiada pela Fapemig, CNPq e Capes. O investimento total gira em torno de R$ 400 mil.












Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
Anuidade 2020
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2020 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG