Folha de S. Paulo - 09/06/2016 às 16:52:15

Psicotrópicos são remédios com maior alta


(FOTO: Fael Andrade) Fael Andrade)

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que os preços dos remédios subiram 10,52% neste ano. O aumento reflete o reajuste autorizado pelo governo, que passou a vigorar no fim de março.

Os remédios foram autorizados a serem reajustados em até 12,50%. Esse limite é traçado com base na inflação passada e outros fatores como produtividade do setor, concorrência e custo dos insumos dos produtos.

Os maiores aumentos no período foram registrados em psicotrópico e anorexígeno (12,28%), gastro protetor (11,57%) e anti-inflamatório e antirreumático (11,12%). O anti gripal foi o que menos subiu (8,73%).

O aumento dos produtos farmacêuticos está bem acima da inflação medida pelo IPCA, a oficial do país. De janeiro a maio deste ano, o índice foi de 4,05%, conforme divulgou o IBGE na manhã desta quarta-feira (8).

Os preços dos remédios não subiam tanto desde 2003, quando acumularam alta de 11,50% (considerando o ano inteiro). Naquele ano, o câmbio disparou com as incertezas do mercado sobre o primeiro governo PT.

Segundo Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE, a tendência dos preços dos produtos farmacêuticos é estabilizar daqui para frente. Pelo padrão histórico, os preços não encostam no limite do reajuste.

“As farmacêuticas sempre oferecem algum desconto no medicamento. Então, vamos ver os preços flutuarem pouco daqui para frente”,disse a coordenadora do IBGE em entrevista coletiva para divulgação do IPCA de maio.

PREÇO DE GENÉRICOS 

Além de estarem mais altos em geral, os preços de medicamentos genéricos também podem variar até 1.200% em São Paulo, segundo pesquisa do Procon-SP feita em maio.

Em valores absolutos, um medicamento genérico pode variar até R$ 52 —a atorvastatina cálcica, utilizada para a redução do colesterol, era vendida por R$ 11,94 em uma farmácia e R$ 63,95 em outra (embalagem com 30 comprimidos de 10 mg).

No levantamento geral realizado pelo Procon, que inclui 68 medicamentos (34 de marca e 34 genéricos), a maior variação percentual foi na Nimesulida, 100 mg, com 12 comprimidos. O custo variou entre R$ 1,77 e R$ 23,03.


A pesquisa ocorreu em 15 farmácias nas cinco regiões da cidade.

 











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
Anuidade 2020
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2020 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG