Anvisa alerta para ações de Farmacovigilância no uso da cloroquina e hidroxicloroquina

Comunicação CRF/MG - 07/04/2020 às 14:25:08

Anvisa alerta para ações de Farmacovigilância no uso da cloroquina e hidroxicloroquina

Em e-mail encaminhado ao CRF/MG, a Gerência de Farmacovigilância da Anvisa, alerta e solicita a todos os farmacêuticos o monitoramento intensivo de pacientes em uso da cloroquina e hodroxicloroquina, e solicita a notificação das reações adversas ocorridas no sistema VigiMed.

Frente ao grave cenário de pandemia ocasionada pelo novo coronavírus humano (COVID-2019), a situação epidemiológica brasileira e a inexistência de terapias farmacológicas e imunobiológicos específicos para COVID-19, o Ministério da Saúde, considerando as publicações recentes com dados preliminares sobre o uso da cloroquina e hidroxicloroquina em pacientes com COVID-19, publicou a NOTA INFORMATIVA Nº 5/2020-DAF/SCTIE/MS. A nota traz orientações  sobre o uso, a critério médico, do medicamento difosfato de cloroquina e hidroxicloroquina  como terapia adjuvante no tratamento de formas graves do COVID-19 em pacientes hospitalizados.

É de amplo conhecimento as reações adversas do medicamento cloroquina e seu análogo hidroxicloroquina, inclusive reações consideradas graves. De acordo com a bula do medicamento difosfato de cloroquina, as manifestações tóxicas mais graves estão relacionadas com efeitos cardiovasculares (hipotensão, vasodilatação, supressão da função miocárdica, alargamento do complexo QRS e anormalidade da onda T, arritmias cardíacas, parada cardíaca), e do SNC (confusão, convulsões e coma). O uso prolongado e altas doses podem resultar toxicidade grave, às vezes irreversível, incluindo retinopatia.

O seu análogo, sulfato de hidroxicloroquina, de forma similar, traz como reações adversas de frequência desconhecida cardiomiopatia – que pode resultar em insuficiência cardíaca e em alguns casos com desfecho fatal – e convulsões. A retinopatia é tratada como de frequência incomum, existindo o risco de progressão da doença caso o tratamento não seja suspenso.

Diante deste cenário de incertezas do uso off-label dessas medicações é necessário, mais do que nunca, o monitoramento dos medicamentos utilizados.

Solicitamos a todos os notificadores que monitorem de forma mais intensiva o uso desses medicamentos e notifiquem as reações adversas ocorridas no sistema VigiMed. Lembramos que não é necessário que se tenha certeza sobre a relação da reação com o medicamento, a simples suspeita já basta para fazer uma notificação.

Deem atenção especial ao preenchimento dos campos: história clínica do paciente (comorbidades apresentadas), medicamentos de uso contínuo, dose utilizada dos medicamentos, as reações apresentadas e suas gravidades entre outras.











Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Notícias Contatos Acesso Restrito
Agendamento
Anuidade 2020
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Ouvidoria
Parcelamento  
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda CRF/MG  
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Projetos
Responsabilidade Social
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Urucuia, 48 - Floresta
Belo Horizonte/MG | CEP: 30150-060
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 8h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2020 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG