CRF/MG alerta para o uso cloroquina e hidroxicloroquina

Comunicação CRF/MG - 23/03/2020 às 10:40:49

CRF/MG alerta para o uso cloroquina e hidroxicloroquina

Ontem, 22 de março, em pronunciamento o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alertou para que as farmácias e farmacêuticos efetivamente cumpram seu papel como estabelecimentos de saúde, orientando a população e impedindo o uso indiscriminado de cloroquina e hidroxicloroquina.

A divulgação recente de um estudo francês, que apresentou resultados preliminares sobre o tratamento com hidroxicloroquina é significativamente associado a desaparecimento da carga viral na doença provocada pelo Covid-19, provocou uma irracionalidade científica e acarretou uma busca desenfreada pela classe do medicamento nas farmácias.

Apesar de se ventilar uma alternativa positiva para o tratamento do Covid-19, o estudo não é conclusivo sobre a dose, segurança e efetividade do medicamento.

A Anvisa e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais já tomaram providências, fazendo contatos com os laboratórios fabricantes do medicamento e determinaram a retenção dos estoques para o atendimento a pacientes possivelmente hospitalizados.

O uso da cloroquina ou hidroxicloroquina é desnecessário em pacientes contaminados pelo Covid-19 que apresentam sintomas leves e extremamente e perigoso como medida profilática.

Infelizmente, a irracionalidade acarretou a falta do medicamento para pacientes que realmente precisam. Assim, chamamos os farmacêuticos à responsabilidade:

Proíbam em seus estabelecimentos a venda de Cloroquina sem prescrição médica.

A Anvisa já reforçou o controle com a publicação da RDC 351/2020, que categoriza todos os medicamentos à base de cloroquina ou hidroxicloroquina como controlado, sujeitos a controle especial e escrituração pelo farmacêutico.

 

Em nota, a Anvisa determina que:

“A entrada dos medicamentos já existentes em estoque nas farmácias e drogarias antes da publicação da RDC 351/2020 não precisa ser transmitida ao Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC). As movimentações referentes a esses estoques poderão ser registradas internamente, por meio de registro manual ou em sistema informatizado do estabelecimento, sem necessidade de transmissão ao SNGPC. 

As novas entradas e aquisições realizadas a partir de 21/3/2020, bem como as demais movimentações referentes a tais aquisições, como saídas, perdas e transferências, deverão ser escrituradas no SNGPC. 

As dispensações e entregas de medicamentos realizadas pela apresentação de receita médica comum devem ser registradas no SNGPC, do mesmo modo que acontece com as receitas de controle especial. Para isso, no momento do atendimento, o farmacêutico deve coletar todas as informações necessárias à escrituração. Este procedimento poderá ser feito somente até o dia 18 de abril de 2020, para fins de transmissão dos dados ao SNGPC.”

 

Ressaltamos que o uso indiscriminado de cloroquina pode trazer consequências graves. Portanto, antes da dispensação precisamos entender que:

1. A cloroquina é indicada para profilaxia e tratamento de ataque agudo de malária causado por Plasmodiumvivax, P. ovale e P. malarie. Também está indicada no tratamento de amebíase hepática e, em conjunto com outros fármacos, tem eficácia clínica na artrite reumatoide, no lúpus eritematoso sistêmico e lúpus discoide, na sarcaidose e nas doenças de fotossensibilidade como a porfiria cutânea tardia e as erupções polimórficas graves desencadeadas pela luz.

2. A margem de segurança da cloroquina é baixa. O envenenamento agudo por cloroquina é extremamente perigoso e a morte pode ocorrer em poucas horas. Esta pode ocorrer após a ingestão, por adultos, de uma única dose de 1,5-2,0 g, isto é 2-3 vezes a dose diária para o tratamento. Os sintomas de envenenamento incluem cefaléia, náusea, diarréia, tontura, fraqueza muscular e visão turva. Entretanto, o principal efeito da superdosagem é a toxicidade cardiovascular, com hipotensão, arritmias cardíacas e parada cardíaca irreversível. Se o paciente for examinado poucas horas depois da administração excessiva por via oral, é necessário induzir o vômito ou fazer a lavagem gástrica o mais rapidamente possível. Caso contrário, o tratamento é sintomático e dirigido particularmente para manter as funções cardiovasculares e respiratórias.

3. O uso de cloroquina produz incidência baixa de toxicidade retiniana. Entretanto, sua ocorrência tem grande relevância por acometer a região macular com importante e irreversível comprometimento visual.

4. Apesar desse medicamento ser o de escolha para uso em larga escala devido à sua disponibilidade de aquisição em farmácias e drogarias, registro de segurança comprovado e custo relativamente baixo, a Anvisa reforça que, “para a inclusão de indicações terapêuticas novas em medicamentos, é necessário conduzir estudos clínicos em uma amostra representativa de seres humanos, demonstrando a segurança e a eficácia para o uso pretendido”.

 

Referências:

  1. Bula do Medicamento Cloroquina 150mg comprimido. Farmanguinhos – Instituto de Tecnologia em Fármacos. Disponível em: https://www.far.fiocruz.br/wp-content/uploads/2017/02/CloroquinaPaciente.pdf

 

  1. Ascom/Anvisa. Hidroxicloroquina: orientação aos pacientes e farmácias. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/hidroxicloroquina-orientacao-aos-pacientes-e-farmacias/219201/pop_up?_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_viewMode=print&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_languageId=pt_BR

 

  1. Nota técnica da Anvisa sobre a Cloroquina, consulta em 20/03/2020: http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/Nota+Te%C2%B 4cnica+sobre+Cloroquina+e+Hidroxicloroquina.pdf/659d0105-60cf-4cabb80a-fa0e29e2e799

 

  1.  Manual de Terapêutica da Malária / Colaboração de Agostinho Cruz Marques [et al]. Brasília: Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. 2001

 

Silva, Nikias Alves da, & Silva, Felício Aristóteles da. (2009). Maculopatia tóxica por cloroquina. Revista Brasileira de Oftalmologia, 68(3), 161-167. https://doi.org/10.1590/S0034- 72802009000300008







Mapa do Site

Serviços Informações Institucional Transparência    Projeto Eleições Contatos Acesso Restrito
Agendamento
Validar PGRSS
Anuidade
Capacitações
Consultar Farmacêutico  
Consultar Protocolos
CR Web
Denúncias  
Empresa Nova - Registro
Inscrição Profissional
Ouvidoria
Requerimento CR
Requerimento Online
Validar Certificado
Validar CND
Validar DIR
Validar DNCE
Agenda e Eventos Farmacêuticos
Área Técnica / Legislações
Concursos
Direitos e Deveres
Licitações
Mídias Sociais
Perguntas Frequentes
Publicações e Documentos
Requerimentos e Modelos        
Associações Farmacêuticas
Comissões
Competências
Diretoria
Estatísticas
Estrutura
Fiscalização
História
Princípios
Responsabilidade Social
Atitude Farmacêutica
CRFMG de Vantagens
Receita Legível
CRF ON
Acesso à Informação
CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS
Rua Rodrigues Caldas, 493 - Santo Agostinho
Belo Horizonte/MG | CEP: 30.190-120
Telefone: (31) 3218-1000
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta, de 08h às 17h
Todos os direitos reservados. © 2023 - Desenvolvido pela Assessoria de Imprensa e Gerência de Tecnologia da Informação do CRF/MG Conselho Regional de Farmácia de MG